Inovação jurídica para o Movimento Empresa Júnior com a Prinore

inovação jurídica

Prinore é a nova proposta de inovação jurídica para o Movimento Empresa Júnior

Num mundo em constante processo de globalização e desenvolvimento, nota-se o papel do jovem cada vez mais forte no ramo empreendedor. É nesse contexto que as Empresas Juniores atuam diretamente e promovem mudanças, inclusive em inovação jurídica.

O Movimento Empresa Júnior (MEJ), trazido da Europa para o Brasil em 1987, conta, atualmente, com 1.332 EJs contabilizadas, formadas por estudantes da graduação de universidades de todo o país.

Contudo, o movimento se consolidou, de fato, a partir da promulgação da Lei 13.267/16. Foi ela a norma que reconheceu e disciplinou a criação de empresas juniores no Brasil.

A dúvida que surge é: como que uma empresa formada por estudantes impacta o desenvolvimento do país?

A resposta é fácil.

Só em 2020, o faturamento global da rede chegou a R$ 43 milhões de reais e envolve, aproximadamente, 30 mil empresários juniores.

Proposta do Movimento Empresa Júnior

O foco do movimento é formar lideranças, além de incentivar os estudantes a aprenderem sobre empreendedorismo, gestão de empresas e desenvolvimento de negócios.

Além do que já foi citado, o Movimento Empresa Júnior provoca o desenvolvimento do ensino superior e abre muitas portas para oportunidades de emprego.

Uma das características desse movimento e que condiz muito com o seu propósito, é trazer a inovação como pilar para o desenvolvimento de um país empreendedor.

Segundo o Manual de Oslo, que trata sobre as Diretrizes para a Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação, inovação é definida  como:

inovação é a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas.

E a Locus Iuris, dentro desse objetivo, propõe um novo projeto de inovação jurídica: a Prinore

Locus Iuris traz inovação jurídica ao MEJ com Prinore

É nessa conjuntura que a Locus Iuris, Empresa Júnior de Consultoria Jurídica, formada por estudantes da graduação do curso de Direito da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, procura trazer a inovação jurídica e empreendedora como pilares de sustentação da empresa.

Pensando no Movimento Empresa Júnior e nesse contexto de evolução, a empresa desenvolveu sua spin-off, a Prinore.

A Prinore surgiu em 2020, a partir de intensas análises sobre o mercado do Movimento Empresa Júnior e desenvolveu-se focando sua atuação no próprio movimento.

Cursos para Empresas Júniores

Com o intuito de estar em constante aperfeiçoamento, a marca está reformulando seu posicionamento e criando soluções inovadoras e disruptivas diretamente para outras Empresas Juniores de Direito.

Atualmente, a Prinore já desenvolveu  um produto voltado para a capacitação: um curso de Registro de Marca, direcionado ao ensino de como realizar o processo.

No entanto, não para por aí.

O foco da Prinore, no momento, é criar novas soluções inovadoras para o mercado empresarial júnior jurídico. Busca entender quais são as dores e problemas que o MEJ enfrenta no ramo de atuação do Direito para oferecer, assim, a inovação jurídica necessária ao movimento.

Inovação jurídica: uma tendência em Direito

Apesar do setor jurídico ser considerado tradicional e pouco afeito à mudanças disruptivas (especialmente em comparação com a engenharia ou medicina), o segmento está se tornando cada vez mais inovador.

O símbolo dessas inovações são as lawtechs (ou legaltechs), startups que utilizam a tecnologia para desenvolver soluções que simplifiquem o trabalho dos advogados e clientes.

Conforme a AB2L (Associação Brasileira de Lawtechs & Legaltechs), existem mais de 100 empresas do ramo no Brasil.

Dentre os principais serviços prestados por essas startups, destacam-se:

  • Automação e gestão de documentos (economizando tempo);
  • Gestão de escritórios e departamentos jurídicos (gestão da equipe, processos, clientes);
  • Analytics e jurimetria (uso da ciência de dados para compilar a jurisprudência);
  • Resolução de conflitos online (soluções alternativas à justiça por meio da tecnologia, como mediação ou arbitragem);
  • Conteúdo jurídico, educação e consultoria (portais de informação, notícias, assessoria), entre outros.

Os impactos da inovação jurídica para o mercado

Porém, a inovação no meio jurídico não se restringe à aplicação de tecnologia.

Um exemplo é a introdução do Legal Design na confecção de documentos jurídicos.

O Legal Design busca tornar os diplomas legais mais claros, simples e objetivos, através da redução do tamanho dos textos, remoção de palavras de difícil entendimento e adicionando recursos visuais, como fluxogramas, infográficos, entre outros.

Como citado no começo do texto, um mundo em constante movimento envolve, diretamente, soluções e inovações para melhorar o ramo empreendedor.

Sair da monotonia, principalmente na área jurídica, é difícil, mas requer um constante trabalho.

A Prinore, nascendo com o intuito de ser uma solução que oferece a inovação jurídica e traz novas soluções, embarca nesse caminho e propõe descobrir cada vez mais as propostas que o mundo de inovações está apresentando.

 

Escrito por Rafaela Rech e o Thomas Fredel

VEJA TAMBÉM

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com o nosso site. Ao navegar pelas páginas, você declara estar de acordo com a nossa Política de Privacidade.